Logo

Entrar

Login to your account

Username *
Password *
Remember Me
Publicidade
Publicidade

Afinal? Os polícias… (parte II)

A contragosto Nilson caminhava, entristecido, muito entristecido. O rosto denunciava que estava a chorar, mas as lágrimas não saiam. Chorava por dentro. Era princípio de tarde, há muito tempo que Nilson não metia algo na boca, mas a tristeza era tanta que até silenciou a fome. Sofia e Nilson caminhavam lado a lado naquele corredor, a cela ficava no fundo do corredor, numa falsa saída dos fundos.

– Tens ideia de quem pode ter roubado? – questionou Sofia, em voz baixa.

– Não

– Tenha calma, o segredo nessa sala é ser humilde e saber impor respeito sem pedir. Se souberes fazer isso vais conviver com todos sem problemas. Vou procurar os teus familiares, com eles vou resolver o teu assunto. Mais cedo ou mais tarde iremos encontrar o ladrão, mas vai aguentando.

– Obrigado!

Sofia levou a mão direita ao bolso direito da sua calça de uniforme, mas não encontrou as chaves. Olhou para cima e logo olhou para baixo. E, rapidamente, levou a mão esquerda para o bolso esquerdo e tirou de lá um molho de chaves. Introduziu uma chave da marca do cadeado prateado, não abriu. Tirou uma outra e introduziu, não abriu. A seguir, olhou para Nilson e levantou as sobrancelhas, e introduziu a terceira chave da marca do cadeado e conseguiu abri-lo. E em seguida, com a mão direita, bateu três vezes na porta feita de chapa e ferro, e depois abriu-a.

Nilson fechou os olhos e abriu. Era tanta gente naquela cela. Todos começaram a murmurar. Nilson estava atrás de Sofia. A agente policial afastou-se para a direita, e movimentou a cabeça, dando sinal a Nilson para entrar na cela. O jovem entrou e Sofia fechou a porta, reorganizou a corrente por fora e trancou com o cadeado prateado.

-*-

Era um quadrado. Tinha três paredes e meia, uma à direita, outra à esquerda, e a última junto à porta dos fundos da esquadra. A entrada principal da esquadra estava virada para este, e a cela estava na parte traseira da esquadra, de costas para este. A quarta parede tinha um metro e meio de altura, daí até ao tecto havia grades. Aquelas grades foram montadas propositadamente para cumprir com a velha máxima: ver o sol aos quadradinhos. Antes de Nilson chegar, eram 27 pessoas naquela cela. Todos vestidos com a sua roupa. O vestuário de alguns sinalizava que não mudavam há meses, e outros tinham roupas limpas e bonitas, nem pareciam que estavam na cela.

Depois de ver as pessoas puxou o ar da cela com atenção. Ali fedia… Fedia à urina e fezes… Rapidamente, Nilson olhou para direita para ver de onde vinha aquele mau cheiro. Deparou-se com uma casa de banho em más condições e sem porta.

– Bem-vindo! – surgiu uma voz, que silenciou por completo a cela.

– Boa tarde! Obrigado!

– Não disse boa tarde porque aqui não temos relógios. Olha… Meu nome é Roberto, sou o chefe nesta cela. Cheguei aqui há anos e não pretendo sair daqui, todos obedecem as minhas ordens. Diga-nos o teu nome e porquê estás aqui? – questionou, sob olhar atento de todos.

– Nilson… Meu nome é Nilson. Acusaram-me de ter roubado um mini-bus.

– Ouve cá jovem… Não nos atrapalha com o teu português… Diga assim comigo: roubei um mini-bus, e a polícia apanhou-me…

– Estou a falar a verdade irmão. Não roubei

– E você aceitou entrar na cela enquanto não roubou?

– Inventaram uma história e obrigaram-me a assinar…

– Coitado! – lamentou Roberto, estendendo a mão direita.

Nilson correspondeu ao pedido de aperto de mão e depois cedeu também ao pedido de abraço, para depois o Roberto seguir com a conversa:

– Tens duas alternativas: ser VIP; ou ser um preso comum. O preso VIP tem regalias aqui na cela: tem direito à minha protecção; respeito obrigatório de todos nesta cela; lugar privilegiado para dormir; receber bom tratamento de todos; não cartar água e ser um dos primeiros a tomar banho. O preso comum não tem regalias e massacramos quando bem entendermos. O que prefere?

– Ser VIP…

– Para ser preso VIP tens de pagar 2000 meticais. Esse dinheiro não é para mim. Somos 27 nesta cela, muitos aqui foram abandonados por seus familiares e não tem o que comer. Esse dinheiro é para eu poder comprar algo para eles.

– Não tenho o dinheiro.

– Vira-se… Tens até amanhã para me entregar esse dinheiro, caso contrário não te vamos poupar. Até lá vais sendo VIP.

A preocupação aconchegou-se no jovem Nilson…

– Agora vou apresentar-te… Aqui somos organizados. Eu sou o chefe, mas temos também chefe de dança; chefe do banho; chefe de música; chefe de disciplina; e chefe de desporto – revelou Roberto, apontando cada um deles.

Nilson apertou a mão de cada um deles.

– Dormimos quando fica escuro e acordamos quando fica claro. Aqui todos dormem e acordam à mesma hora. Vai se acostumando com o cheiro daqui, estás na cadeia, não na tua casa. Yaa... basicamente é essa cena. O resto vais pegar com o tempo.

Depois de trocar as primeiras impressões com o chefe da cela, Nilson conversou com boa parte da sua nova família. Era um jovem pronto a escutar e deixava os outros contarem as suas histórias, criando uma forma de estimular através da comunicação fáctica. Pelas histórias, Nilson viu que alguns foram encarcerados sem terem cometido crime, mas a maioria merecia estar naquela cela. Esses últimos estavam na cadeia por crimes como roubo de cimento nas obras onde estavam a construir; assalto de electrodomésticos; roubo de telemóveis nas paragens; enfim…

-*-

Quando o sol começou a se ausentar, o chefe do banho, Francisco, bateu as palmas duas vezes, e quando todos na cela olharam para ele, ele ordenou:

– Kelvin e Jorge cartem água para tomarmos banho, rápido.

Kelvin e Jorge eram tidos como os mais fracos da cela. Quando se tinha de sacrificar alguém para alguma actividade eram eles. Eram miúdos, eles próprios não sabiam dizer qual era a real idade deles, mas deviam ter por 18/19 anos de idade.

Os dois foram até à porta de chapa e pediram licença. Um polícia foi lá abrir a porta. Quando a porta da cela estava aberta, Kelvin entrou na casa de banho e saiu de lá com dois baldes de 50 litros cada. Entregou a Jorge que ficou na porta a espera. A seguir, foram com o polícia para o quintal da esquadra e encheram os dois baldes numa torneira e cada um carregou 50 litros de água até a cela.

Quando Kelvin e Jorge entraram com os baldes, o polícia ajeitou a corrente por fora e trancou com o cadeado. Dentro da cela estavam todos em fila para tomar banho. Em primeiro lugar estava o Roberto, depois o chefe do banho, entre outros chefes de sectores, Nilson [o VIP provisório], e a seguir, os presos comuns. Kelvin e Jorge estavam em último lugar.

Um minuto depois, Roberto já estava a sair da casa de banho. Francisco ficou por dois minutos, não mais do que isso. Os outros chefes ficaram um, um minuto e meio. Então chegou a vez de Nilson. O jovem entrou na casa de banho e assustou-se. Aquilo devia ter um metro de largura e um e meio de cumprimento. A sanita estava de costas para porta, e a banheira rectangular estava em frente à sanita, junto à parede. Não havia fossas convencionais, as águas negras saíam e aconchegavam bem ao lado da casa de banho. À primeira, apercebeu-se que os que acabavam de tomar banho não usaram muita água e procurou sabonete…

– Não vejo o sabonete aqui… – gritou Nilson.

– Pfutseka… Não estás na tua casa aqui… Sabonete, sabonete o quê? Toma banho aí e sai, deixa de nos atrapalhar o juízo – gritou espontaneamente um dos que estava na fila.

Nilson despiu-se, entrou na banheira e começou a tomar banho. Como não havia sabonete, ele esfregava com as mãos algumas partes do corpo…

– Estás a demorar porquê? – questionou aos gritos um dos presos na fila – chefe, esse está há mais de três minutos e não sai – queixou-se.

– Está a acabar água esse – gritou Alex, um outro preso na fila.

O grito de Alex deixou todos que estavam na fila em pânico. Os 21 que ainda esperavam a sua vez para o banho abandonaram a fila e foram até a porta da casa de banho gritando:

– Estás a acabar água, saaai sai sai sai sai sai… saaaai lá.. sai… não queremos saber… estas a acabar água… todos devem tomar banho com essa água não temos outra.

Francisco bateu palmas duas vezes e todos ficaram quietos. Então foi à porta da casa de banho e ordenou:

– Nilson, sai… O seu tempo terminou, cada um deve ficar, no máximo, um minuto e meio da minha cabeça, e todos devem usar pouca água…

– Desculpa, só estou a terminar.

– Não! Fica assim. Veste e sai.

Nilson teve de sair com alguns rolos de sujidade no pescoço e água em algumas partes do corpo. A atitude de Francisco mereceu aplausos de todos que entraram em pânico, que sucessivamente tomaram o seu banho da tarde.

-*-

Através das grades, todos puderam ver que já estava a ficar escuro. Enquanto a noite se estabelecia, dentro da cela iniciava uma movimentação estranha para Nilson. Era uma luta onde venciam os mais fortes. Tratava-se duma luta de marcação de território para dormir. Ninguém tocava no outro, bastava escolher a alternativa ideal e franzir a testa.

– Não se atrapalha Nilson. Essa é a vida deles. Você é VIP, tem um lugar para dormir em paz… Aquele canto ali é para ti – sossegou-lhe Roberto, apontando o canto esquerdo, para quem entrava pela porta.

Nilson e os chefes eram os únicos com os lugares fixos. Os outros disputavam um pequeno espaço para passar a noite. Nilson procurou o sono sobre uma manta dobrada e estendida no chão, mas não conseguiu. Depois enrolou-se na manta, atenuou o frio. A noite passava, o sono não se revelava. Na cela, alguns roncavam e havia o ruído dos mosquitos, foram os sons que acompanharam a noite em claro de Nilson.

-*-

A mulher estava sentada no único banco que havia naquela sala. Era um banco feito de madeiras finas e cumpridas, sem encosto, mas estava junto à parede. Então, Rute aproveitava-se e fazia da parede o seu encosto. Ela estava vestida de uma blusa azul de mangas curtas. As mangas apenas cobriam os ombros, denunciando o seu corpo forte. A capulana, [tecido africano] amarrada a rigor, completava a indumentária. E nas mãos levava uma pequena carteira amarela rectangular e um plástico com tigelas de comida. O saco plástico tinha gotas de vapor por dentro, Rute acordou à madrugada para prepará-la.

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Publicidade

Curso de culinária e vaga de estágio

A Escola de Culinária Arte & Profissão Tia Rosa está a oferecer uma vaga de estágio de três meses a(o) melhor aluna(o) matriculada(o) em Janeiro para o curso de decoração de bolos ou de culinária.

ITL está recrutar professores

DIRECÇÃO GERAL

DIVISÃO DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS

ASSUNTO: Concurso Público nº 202/930/DG-ITL/DA-RH/2017

O Instituto Técnico Lugenda (ITL) é uma Instituição de ensino Técnico-Profissional, com Sede na Beira, Av, Samora Machel, nº 3160, bairro Maquinino, cidade da Beira, que tem como principal tarefa a Formação de profissionais de saúde de nível médio.

Inscrições abertas para exames de admissão no ITL

COMO FREQUENTAR OS CURSOS DO INSTITUTO TÉCNICO LUGENDA (ITL)

Cursos Ministrados no ITL

Cursos de Saúde

  • Enfermagem Geral;
  • Enfermagem de Saúde Materno Infantil;
  • Técnicos de Farmácia;
  • Técnicos de Medina Preventiva; e
  • Técnicos de Medicina Geral.

Audiência

979627
Hoje
Ontem
Esta Semana
Last Week
Este Mês
Último Mês
Desde 1 de Abril de 2016
1167
1518
17048
230098
69645
107911
979627

Seu IP: 54.167.126.106
2018-01-19 21:24

Newsletter Biográfica

Seja o primeiro a saber: receba textos biográficos gratuitamente no seu e-mail

Seja Nosso Amigo No Facebook

Publicidade

Showcases

Background Image

Header Color

:

Content Color

: