Logo

Entrar

Login to your account

Username *
Password *
Remember Me
Publicidade
Publicidade

Curta nota biográfica de Paulina Chiziane

Ao ver um pedaço de papel e um lápis, Paulina Chiziane já começava a rabiscar, criando histórias. Era algo natural na sua infância. Daí que não sabe dizer quando iniciou a escrever, mas começou dar conta da sua queda para escrita quando, ainda na escola primária, elaborou uma redacção sobre a Páscoa e recebeu rasgados elogios da sua professora. Ali começou a tomar a escrita mais a “sério”.

Paulina Chiziane nasceu numa família cristã (protestante), a 4 de Junho de 1955, em Manjacaze, província de Gaza. Contudo, tem uma visão diferente da que é oferecida pela religião, ou seja, não concorda que a mulher seja vista como coadjuvante. Para Chiziane a mulher tem voz e  papel de protagonista.

A sua obra nasce para materialização da visão da mulher como protagonista. Foi com o intuito de mostrar que as mulheres também se levantam e têm muitas capacidades que Paulina se levantou com ousadia, através da escrita. A autora  propõe determinados temas e pontos de vista ignorados em debate. Foi um “meio choque” para sociedade que lê, pois esperava-se de mulheres na altura que escrevessem sobre coisas bonitas, cor-de-rosa, idealizações, falando de amor, falando de criança.

Outro dado a ter em conta é que durante a juventude foi militante da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), principal movimento de luta pela independência do país do domínio colonial de Portugal. A combinação dos dois contextos, referenciados, na sua vida enquanto mulher, levaram com que a sua obra procurasse “descolonizar a mente do moçambicano” e evidenciar o papel da mulher na sociedade, através da reconstrução do contexto social moçambicano por meio da literatura.

Começou a publicar por volta de 1984 e, em 1990, lançou o  seu primeiro livro: Balada de amor ao vento. Paulina Chiziane tornou-se, assim, na primeira mulher a publicar um romance, um título que ela nega. Pois, afirma que o que escreve não são romances, mas sim histórias grandes.

A contadora de histórias grandes é autora dos livros: Ventos do Apocalipse; O Sétimo Juramento; Niketche; As Andorinhas; O Alegre Canto da Perdiz; Na mão de Deus; Por Quem Vibram os Tambores do Além?; e Ngoma Yethu. Paulina escreve sobre o silêncio e tabus, utilizando para tal a coragem, trabalho, e pesquisa. Ela escreve as suas histórias inspirando-se nos contos à volta da fogueira.

As suas personagens são pessoas que lhe rodeiam, que são mulheres. Às vezes, por exemplo, pega no seu gravador, senta na rua e conversa com a primeira mulher que passa e tem uma história, outras vezes vive.

“Na mão de Deus” é exemplo de um livro que ela viveu. Em 2012, Paulina quis entregar um trabalho concluído a qualquer custo e a cabeça não suportou. Teve uma crise psicótica, tendo ido parar no hospital psiquiátrico. Foi lá onde descobriu que existe um mundo ainda por ser descoberto e escreveu o livro.  “Ngoma Yethu” é exemplo de um livro que nasceu de uma conversa, onde a escritora pôs uma curandeira a analisar o novo testamento da bíblia e escreveu o livro, causando mais uma polémica.

Por escrever diferente, ela acabou intitulando-se uma guerreira, pois depois de cada obra provoca polémica e tem de enfrentar os sectores sociais conservadores em Moçambique. Paulina Chiziane já foi chamada de feminista, espiritista, e curandeirista, por causa das suas obras, adjectivos recusados, já que ela não procura agradar a ninguém quando escreve, simplesmente pretende usar o poder da literatura para mostrar para sociedade o lado positivo e negativo das coisas.

Paulina considera-se filha de gente de grande pensamento, com herança cultural, religiosa, e histórica; disposta a lutar para recuperar o que foi perdido com a colonização. Paulina Chiziane  olha a sua luta como uma pedra que é lançada hoje para que no futuro o Moçambique que sonha possa ser construído.

A autora venceu, em 2003, o Prémio José Craveirinha, a comenda literária mais importante do país, com seu livro Niketche - Uma História de Poligamia, e foi condecorada, em 2013, pelo Governo português com o grau de Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique. Paulina Chiziane é estudada por escritores moçambicanos e brasileiros. As suas histórias são adaptadas para bailados e peças teatrais.

Bibliografia

Entrevista com a escritora moçambicana Paulina Chiziane – O Povo, 17/04/2017

Paulina Chiziane: “Não volto a escrever. Basta!” – O País, 10/07/2016

A escrita sagrada da romancista moçambicana Paulina Chiziane – Brasil de Fato, 21 de Setembro de 2016

Os anjos de Deus são brancos até hoje, entrevista a Paulina Chiziane – Baula, 26/11/2014

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Publicidade

Curso de culinária e vaga de estágio

A Escola de Culinária Arte & Profissão Tia Rosa está a oferecer uma vaga de estágio de três meses a(o) melhor aluna(o) matriculada(o) em Janeiro para o curso de decoração de bolos ou de culinária.

ITL está recrutar professores

DIRECÇÃO GERAL

DIVISÃO DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS

ASSUNTO: Concurso Público nº 202/930/DG-ITL/DA-RH/2017

O Instituto Técnico Lugenda (ITL) é uma Instituição de ensino Técnico-Profissional, com Sede na Beira, Av, Samora Machel, nº 3160, bairro Maquinino, cidade da Beira, que tem como principal tarefa a Formação de profissionais de saúde de nível médio.

Inscrições abertas para exames de admissão no ITL

COMO FREQUENTAR OS CURSOS DO INSTITUTO TÉCNICO LUGENDA (ITL)

Cursos Ministrados no ITL

Cursos de Saúde

  • Enfermagem Geral;
  • Enfermagem de Saúde Materno Infantil;
  • Técnicos de Farmácia;
  • Técnicos de Medina Preventiva; e
  • Técnicos de Medicina Geral.

Audiência

1053330
Hoje
Ontem
Esta Semana
Last Week
Este Mês
Último Mês
Desde 1 de Abril de 2016
626
1372
626
329087
46645
96703
1053330

Seu IP: 54.92.197.82
2018-02-25 11:39

Newsletter Biográfica

Seja o primeiro a saber: receba textos biográficos gratuitamente no seu e-mail

Seja Nosso Amigo No Facebook

Publicidade

Showcases

Background Image

Header Color

:

Content Color

: